terça-feira, 8 de julho de 2008

Os Imperdoáveis




Título original: Unforgiven
Ano de lançamento (E.U.A): 1992
Direção: Clint Eastwood

Clint Eastwood começou sua carreia como ator em 1955 e desde então fez sucesso no mundo inteiro como o homem durão, frio e calculista seja de filmes clássicos de faroeste como nas memoráveis parcerias com Sergio Leone, seja como o policial cabeça dura Dirty Harry, entre vários e vários outros personagens. Sua carreira de ator era brilhante, pois Clint era um ícone das masculinidade na época. Mas sem dúvidas melhor ainda seria sua carreira de diretor, o qual em quase todos suas obras também atuava. Na enorme filmografia deste grandíssimo diretor consta uma película, onde absolvido o aprendizado dos diretores os quais trabalhava (principalmente Leone), Clint fez na minha particular opinião o melhor faroeste de todos os tempos; Os Imperdoáveis. Talvez eu prefira este à aquele por ser mais precisamente um drama de faroeste, dispensando quase todos os clichês do gênero.

Bill Munny (Clint Eastwood) é um ex-pistoleiro assassino que abandonou a vida do crime e vive na miséria com seus dois filhos, frutos da união com sua mulher já morta de quem ele tanto amava. Eis que surge um jovem pistoleiro que oferece a Bill a oportunidade de partir numa caçada para matar dois rapazes que haviam maltratado uma prostituta, e que pagaria 1000 dólares a ele. Decidido de não o fazer Bill mais tardiamente reflete sobre a proposta e convida seu ex-parceiro do crime Ned Logan (Morgan Freeman) para acompanhá-lo e juntos com o jovem pistoleiro buscarem os dois rapazes para assassiná-los. As prostitutas por sua vez espalhavam a oferta de vingança para todos os pistoleiros com quem transavam e a notícia correu por todo o Texas, fazendo com que criminosos como Bob English (Richard Harris) venham à pequena cidade.

Mas o lendário xerife da cidade Little Bill Dagget (Gene Hackman) descobre do ocorrido e assim que Bob chega à cidade, espanca severamente e o prende na frente de todos, para que assim saibam que bandido algum passará impune por lá. Diferente dos famosos personagens de Clint vemos em Bill um homem nervoso e amedontrado do seu passado, claramente abalado e debilitado emocionamente, onde concluimos que no seu estado ele jamais consegueria matar os homens. E a transformação do personagem, praticamente da noite para o dia é fantástica e sublime, resultado de um brilhante roteiro, uma direção inovadora e criativa, além da própria atuação do Clint. A direção de Clint é ainda mais brilhante por dispensar os repetidos clichês do gênero e tomar um estilo de filmagem e continuidade totalmente diferente.

Clint faz não um faroeste propriamente dito, mas sim um drama de faroeste. A história e seus personagens não se baseiam em bandido e mocinho (herói), ele faz detalhadamente um estudo psicológico de cada um dos personagens principais, levando a película a outras dimensões. Todas as atuações são sensacionais, destacando-se Gene Hackman como o simples xerife Little Bill que não aspira medo e tormento em momento algum. Quanto às categorias técnicas são todas perfeitas e de grande encaixe na obra, principalmente a linda e espetacular trilha sonora, além da fotografia que ora frisa o rosto do personagens demonstrando seu interior, ou os ambientes e pasagens de maneira grandiosa. Enfim, uma obra-prima magistral, um dos melhores filmes que tive a oportunidade de assistir.

Little Bill: ´´Você é William Munny, do Missouri, matador de mulheres e crianças.``
Bill Munny: ´´Isso mesmo. Já matei mulheres e crianças. Já matei quase tudo que anda e rasteja na Terra. E estou aqui para matar você Little Bill.``

Cotação: 10

13 comentários:

Vinícius P. disse...

Não sou grande fã do gênero, mas sem dúvida é um belo trabalho do Clint Eastwood com o melhor que o western pode oferecer - inclusive, ele está muito bem como ator aqui, algo raro na minha opinião.

Kamila disse...

Conheço muito pouco do gênero western, mas Clint Eastwood realizou uma obra perfeita com este "Os Indomáveis". Incrível, aliás, como o Clint é versátil como diretor.

Ibertson Medeiros disse...

É um filmaço mesmo.
Um dos meus faroestes preferidos.

Weiner disse...

Um dos melhores faroestes que Hollywood cuidou de fazer, amargo, doente, decadente e profundamente humano. Às vezes as pessoas se esquecem que pistoleiros também são gente. Alguns filmes do gênero tratam o pistoleiro como um ser imune de falhas, emoçoes e problemas. Eastwood desmitificou o western e merece respeito por isso.
Abraço!

Museu do Cinema disse...

É um filmão, mas existem outros que são superiores, se for comparar por exemplo com Era uma Vez no Oeste, fica até meio ridiculo. De qualquer maneira é uma obra-prima do cinemão hollywoodiano.

Sérgio Déda disse...

Vinícius.. acho q Clint fez muitos trabalhos fantásticos como ator, mas sem dúvidas como diretor ele eh muito melhor..

Kamila.. eu adoro este gênero.. tem mts filmes excelentes, principalmente os antigos jah q está meio em extinção..

Ibertson.. eh o meu faroeste preferido..

Weiner... realmente .. Os Imperdoáveis eh um faroeste diferente dos demais..

Museu.. não acho Os Imperdoáveis inferior a Era Uma Vez No Oeste nem a Trê Homens Em Conflito.. embora possuam temáticas diferentes como eu mesmo disse.. Os Im´perdoáveis eh mais um drama de faroeste..

Pedro Henrique disse...

É a proximidade máxima que um faroeste "moderno" pode chegar de um western clássico. Filmaço!

Jacques disse...

Sérgio, Clint Eastwood é um dos raros diretores que transformam temas banais em grande cinema. Os Imperdoáveis faz juz a esse que é um dos melhores diretores americanos da atualidade. Abcs

Museu do Cinema disse...

Sérgio, bom, eu discordo, o filme do Leone é sensacional, é uma aula de cinema, é uma obra-prima completa (roteiro, interpretação, arte e cenários, som e principalmente trilha sonora).

Os Imperdoaveis eu considero mais como uma homenagem a um gênero que tb ajudou a hollywood ser o que é hoje. E como homenagem é um filmão, é como Kill Bill, só que o filme do Tarantino homenageou um gênero menor, apesar até dele usar o faroeste (Leone em especial), mas os filmes de artes marciais é a sua principal homenagem.

Valeu pelo swingtown, assim que assistir voltaremos ao assunto.

Wally disse...

Não vi muitos faroestes, mas esse é meu preferido definitivo. Não sou fã do gênero, mas esse me agradou demais. Excelente filme!

Nota 9,0!

Ciao!

Ygor Moretti Fiorante disse...

Muito bom esse filme, mas realemnte Era uma vez no Oeste e os outros do Sergio Leone, Por um punhado de Dolares, por um punhado de dolares a mais, e três homens e um conflito são demais mesmo.

Marcel Gois disse...

Taí um gênero que eu não sou muito familiarizado, apesar de não ter nada contra. Estou com um lista de 10 filme aqui, vou tentar dá uma conferida.

Sérgio Déda disse...

Museu... eu tb adoro Era Uma Vez No Oeste.. acho um grande filme, mas ainda prefiro Os Imperdoáveis.. como tb prefiro Três Homens em Conflito, do próprio Leone..
Todos são excelentes filmes sem dúvidas...