quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Embriagado de Amor


Título original: Punch-Drunk Love
Ano de lançameto (E.U.A): 2002
Direção: Paul Thomas Anderson

Considerado por muitos um dos melhores diretores da atualidade e de sua geração (por merecimento) o cultuado e já célebre Paul Thomas Anderson possui no seu curto currículo de longas invejáveis películas, todas acima da média e queira ou não capazes de serem denominadas obra-primas, vide ´´Boogie Nights`` , ´´Magnólia`` e claro um filme fenomenal que se tornará um clássico do cinema, ´´Sangue Negro`` (ainda não assisti ´´Jogada de Risco``). Outro que não podemos desfalcar desta sua gloriosa lista é um filme simplesmente encantador e interessante e que, não fosse pelo roteiro e direção absolutamente perfeitas de P.T.A talvez não seria tão lembrado como foi, ainda que pouco. Só de pensar que este homem conseguiu retirar de Adam Sandler uma atuação ao menos soberba, da qual nem ele mesmo acreditava ser capaz.

Barry Egan (Adam Sandler) é um pequeno empresário que além de passar por certas dificuldades financeiras, possui um certo descontrole emocional resultado de traumas tidos da sua infância. Seu mundo seria completamente solitário não fosse suas sete irmãs que tentam integrá-lo à família, sabendo do seu problema. Com idéias altamente mirabolantes e sem nexo algum e ataques de raiva e ansiedade constantes ele tenta prosseguir com a vida até que conhece Lena Leonard (Emily Watson), amiga de sua irmã e por quem ele repentinamente se apaixona. Frustrado com a vida e a solidão, à noite ele liga para um sex-fone a fim apenas de conversar. Na mãnha seguinte a garota do telefone liga de volta pedindo dinheiro a Barry e ao recusar ela passa a fazer ameaças, incluindo uma grande rede ilegal que tornam a perseguir e ameaçar o rapaz.

Com todos esses problemas ele decide lutar até o fim pelo amor de Lena e enfrentar aos mafiosos, às complicações cotidinas e principalmente a si mesmo, ao seu excêntrico e conturbardo mundo. Como demonstrado o longa provém de um roteiro impressionante, cheio de reviravoltas e diferentes temáticas ao longo do filme. Roteiro assinado por ele mesmo; Paul Thomas Anderson, que diante de um roteiro incrível parte para uma direção impecável e rica principalmente nos pequenos detalhes, assim como em ´´Sangue Negro``. Para uma direção perfeita P.T.A une-se à fotografia, montagem e principalmente trilha sonora do filme. Repare por exemplo no início do longa os takes de Barry no meio da rua completamente vazia, ajudando a formar a solidão do personagem.

A trilha foi claramente supervisionada pelo diretor. Para tentar passar o mundo de Barry são músicas irritantes e no maior volume que quase não conseguimos escutar sua voz. Mistura de tambor com flauta, piano, saxofone, retrata seu mundo prestes a explodir como visto na cena em que ele tenta vender uma lâmpada à medida que suas sete irmãs ligam para seu trabalho. Temos também a cena em que ele está nervoso ao telefone (e nós também por causa da trilha e do movimento da câmera acompanhando Barry) e quando finalmente tem um ataque de raiva a música para; ele explodiu. E não é só com a trilha sonora que o diretor demonstra isso, na casa das irmãs o barulho irritante de suas sete irmãs conversando é o suficiente para notar-se sua impaciência até ter seu ataque de raiva. Outra sequência de detalhes incríveis no longa; quando Barry decide viajar ao Havaí e encontrar sua amada, começa na trilha uma fabulosa música (´´He needs me``, de Shelly Duvall), que só pára quando ele a encontra, como se fosse uma saga. E note também a cena em que ele está num telefone público e ao finalmente conseguir falar com Lena a luz do farol de uma moto ilumina Barry e o telefone.

Enfim, como visto em ´´Sangue Negro`` o diretor transborda para as telas um detalhismo e perfeccionismo intransigentes no longa. Adam Sandler está surpreendentemente excelente, sem muito de suas caretas e sotaques chatos, ele definitivamente incorpora o personagem e ofusca a ótima Emily Blunt, além de uma pequena, mas marcante participação do fantástico Philip Seymour Hoffman. ´´Embriagado de Amor`` é uma grande surpresa, devido ao talento de realmente um dos melhores da atualidade; Paul Thomas Anderson.

Cotação: 9.0

14 comentários:

Ramon disse...

Gostei de Embriagado de Amor, mas não consegui achá-lo tão formidável quanto os outros filmes do PTA.
Revi Sangue Negro essa semana. É realmente uma obra-prima!

Abs!

Vinícius P. disse...

Não é segredo para ninguém que Paul Thomas Anderson é um dos meus três diretores favoritos. Além da obra-prima "Magnólia" (o melhor filme de todos os tempos, na minha opinião), já fez maravilhas como "Boogie Nights" e esse "Embriagado de Amor" - sem falar em "Sangue Negro", claro, mais um filme perfeito. Até o "Jogada de Risco" é muito bom...

Marcel Gois disse...

Esse e Jogada de Risco foram os únicos do PTA que eu ainda não vi. Mas pretendo assistir em breve. Já vi muito coisa boa sobre eles e mesmo que não tivesse lido, é PTA neh?! O cara merece créditos, já merecia depois de Magnólia e agora depois de Sangue Negro merece ainda mais!

Museu do Cinema disse...

Legal Marcel, esse é um PTA, já basta!

wender. disse...

já tinha lido algo a respeito dele, agora me chamou mais a atenção ainda, vou catar pra ver esse filme logo.

Abraço

contra-regra disse...

Eu mais uma vez perdi a chance de ver o filme na TNT. Não adianta! Vou ter de alugar esse fim de semana. Não aguento mais o pessoal que entra lá no blog indicar e só eu ficar chupando o dedo. Mostra um lado do Adam Sandler que muita gente não conhece. Recentemente vi Reine sobre Mim e fiquei surpreso com sua interpretação. Tem se empenhado esse rapaz!

Mídia e cultura:
http://robertoqueiroz.wordpress.com

Kamila disse...

"Embriagado de Amor", na minha opinião, é o filme menos inspirado do PT Anderson. Não gosto da performance do Adam Sandler e nem da Emily Watson, uma atriz que, geralmente, me agrada muito.

Vulgo Dudu disse...

Eu sempre digo que este filme fez a Adam Sandler o mesmo que O mundo de Andy fez a Jim Carrey e "Mais estranho que a ficção" fez a Will Ferrell: comediantes provando que são excelentes na arte da interpretação. O que não é lá surpresa, pois fazer rir é muito mais difícil do que fazer chorar.

Esse aí eu vi no cinema. Mais da metade do público, não estou aumentando, saiu com menos de 20 minutos de filme - pois tinham ido ali para ver Sandler em uma comédia rasgada.

Prova de que o filme é realmente sensacional!

Abs!

Pedro Henrique disse...

Depois de ver Magnólia e Sangue Negro, dois ótimos filmes do PTA, esse é um dos próximos da lista, que é liderada por Boogie Nights.

Wally disse...

Sou louco pelo cinema de PTA, maravilhoso. Mas até hoje não encontrei esse filme para assistir.

Ótima crítica.

Ciao!

Robson Saldanha disse...

"Adam Sandler está surpreendentemente excelente, sem muito de suas caretas e sotaques chatos" acho que só por isso já deve valer a pena ver o filme, não sou muito chegado as comédias deles, mas me surpreendi com ele no drama Reine Sobre Mim, pensei: "Poxa, ele sabe atuar bem sim"... hehehe

Ibertson Medeiros disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ibertson Medeiros disse...

É um bom e estranho filme.
Algumas situações são muito bizarras, na minha opinião, só reforçando a excentricidade do personagem principal. E a atuação do Adam Sandler é a sua melhor até então.

Sérgio Déda disse...

Ramon... consegui achar Embriagado de Amor superior a Boogie Nights...

Vinicius... quero muito assistir Jogada de Risco...

Marcel.. ele merece créditos mesmo..

Cassiano... pois eh...

Wender... espero que goste...

Roberto... eu tinha assistido há muito tempo antes e revi da TNT... a dublagem tah boa ateh... aih deu vontade de comentar..

Kamila... para mim uma das poucas ótimas atuações do Adam..

Dudu... eh verdade.. se ele se concentrasse mais nesse tipo de filme, deixando de lado um pouco a bilheteria de gente q quer ver piada idiota..

Pedro.. todos muito bons..

Wally... eh tão bom quanto seus outros filmes...

Robson... vale a pena mesmo conferir...

Ibertson... o roteiro tem muitas situações inusitadas realmente... mas como eu disse.. era como se fosse o mundo de Barry..